Atendimento Presencial
Seg a Sex das 08h às 18h
  Sáb das 8h às 13h

Atendimento online
Agende sua teleconsulta
Clique aqui

Quando procurar um ortopedista infantil

Em suma, muitos comportamentos infantis, que muitas vezes não são notados, devem ser levados em consideração quando o assunto é ortopedia infantil.

Crianças que andam nas pontas dos pés, mancam sem causa aparente ou queixam-se de dor constantemente, são alguns dos indicativos de que está na hora de buscar o ortopedista pediátrico.

Mas afinal, o que faz um ortopedista pediátrico?

Ortopedista pediátrico

O ortopedista pediátrico é o médico especialista em avaliar problemas musculoesqueléticos (incluindo articulações, ossos ou músculos) em uma criança. Isto inclui recém-nascidos e também adolescentes ainda em fase de crescimento. 

Em outras palavras, é o profissional dentro da especialidade ortopédica responsável por analisar crianças e adolescentes. Ele irá auxiliar no processo de diagnóstico e tratamento de qualquer possível alteração ortopédica durante a primeira fase da vida!

Portanto, qualquer possível alteração/lesão congênita, traumática ou adquirida é de responsabilidade do mesmo identificar as causas, perguntar aos responsáveis ou ao paciente os sintomas, indicar exames laboratoriais e físicos, e acompanhar a família e o paciente no tratamento, seja ele cirúrgico ou não.

Assim, dependendo do caso, ele pode acompanhar o paciente durante toda sua vida. A recuperação pode envolver uso de medicamentos, fisioterapia e até atividades físicas moderadas.

Portanto, você sabe quais problemas o ortopedista costuma tratar?

Quais problemas o ortopedista pediátrico trata?

Primordialmente, os problemas musculoesqueléticos das crianças são totalmente diferentes de um adulto. Isto deve-se ao fato que elas estão em fase de crescimento, ou seja, o corpo responde de formas diferentes a possíveis lesões e deformidades.

Muitas vezes, alguns problemas que aparecem na infância são ignorados, com a ideia que eles irão sumir conforme o pequenino vai crescendo. Um bom exemplo disso, é o não uso das botinhas ortopédicas. Elas ajudam a evitar o arqueamento das pernas, característico em crianças, até os 6/7 anos. Apesar de ser um processo natural do corpo, elas entraram em desuso.

Por fim, mesmo que os problemas ortopédicos relacionados se assemelham com o de uma pessoa adulta, a avaliação feita é totalmente diferente de um adulto. Alguns dos problemas que as crianças têm em seus ossos são devido ao próprio crescimento delas, e nem sequer ocorrem em pessoas adultas.

Nesse sentido, você conhece as principais doenças ortopédicas?

Doenças ortopédicas infantis

Entre as doenças ortopédicas mais comuns, podemos de fato, citar:

Artrite séptica

Caracteriza-se por uma infecção articular, que afeta principalmente os membros inferiores, como quadris e joelhos. Entre os sintomas, há inchaço nas articulações, febre e irritabilidade. Dessa forma, o tratamento é feito por meio de antibióticos.

Osteomielite

Quadro inflamatório no osso, causado por infecção bacteriana. Assim, entre os sintomas estão a febre, dor, além da área afetada ficar inchada. Analogamente, o tratamento é feito por antibióticos.

Paralisia Cerebral

Em suma, ele ocorre durante o nascimento, quando o pulmão do bebe não consegue oxigenar suficientemente o sistema nervoso central. O ortopedista infantil deverá orientar a família sobre o desenvolvimento das crianças. Em casos como esse, o tratamento é multidisciplinar.

Displasia do quadril

Trata-se de um luxação congênita em que as articulações da bacia não estão corretamente posicionadas. O tratamento é feito com o suspensório de Pavlik, que se prende às pernas e à região torácica do bebe.

Pé torto

Má formação, na qual os pés do bebe, são virados para dentro. Todo o tratamento é feito logo após o nascimento: os pés são engessados para que possam moldar-se na posição correta. Dessa forma, com o tempo, a criança anda normalmente.

Doenças traumáticas

Incluem-se aqui as luxações, entorses, fraturas e distensões comuns na infância. Contudo, elas precisam de atenção dos pais: causam danos aos tecidos moles, ossos e cartilagens, e podem levar a criança a ter problemas circulatórios. A recomendação é levar a criança ao ortopedista infantil, o quanto antes.

Dessa forma, quando se deve buscar um ortopedista infantil?

Quando devo buscar um ortopedista infantil?

Em síntese, a primeira recomendação é que os pais fiquem sempre atentos a qualquer sinal de alteração da criança: como algumas doenças comuns são congênitas, elas serão diagnosticadas pela equipe médica, logo após o nascimento da criança.

Dessa forma, os pais serão encaminhados a um ortopedista infantil, que dará todas as informações necessárias e adequadas para o início do tratamento. No caso de lesões traumáticas, a orientação é buscar o especialista imediatamente para que todo o atendimento seja feito com rapidez. Isso evita qualquer tipo de sequela, que pode afetar o desenvolvimento da criança no geral.

Além disso, algumas doenças podem se manifestar advindas de infecções ortopédicas. Assim, nesse caso, os pais devem estar atentos aos sintomas. Qualquer alteração, deve-se procurar o ortopedista imediatamente.

Em conclusão,  vale salientar a importância da percepção dos pais em qualquer alteração na criança. Como muitas delas não sabem expressar o que estão sentindo, a busca de um especialista torna-se indispensável neste momento. Só ele poderá diagnosticar e passar o tratamento adequado. Além disso, deve-se sempre evitar qualquer medicação sem receita médica.

Recomendações finais

Algumas dicas e orientações para os pais, para evitar qualquer tipo de problemas ortopédicos com os pequeninos, incluem:

  • Evitando acidentes em casa

Crianças são curiosas. Dessa forma, querem pegar qualquer coisa ao alcance. Portanto, evite deixar materiais perto das mesmas, e evite deixar que transitem sozinhas pela casa!

  • Transporte seguro

Antes de mais nada, torna-se imprescindível o uso de cadeirinha, busters e cintos. Dados apontam, que 70% das lesões graves infantis acontecem durante o trânsito!

  • Mochilas adequadas

Em síntese, prefira sempre mochilas com tiras largas e acolchoadas. Opte também por mochilas que tenham duas tiras para os ombros, para o peso ser distribuído uniformemente. E por último, evite sobrecarregar a mochila.

Cuidar da saúde dos pequenos é muito importante. Para isso, agende sua consulta com ortopedista pediátrico na Clínica Ortopédica Paulista.

Artigo escrito pela Dra. Tatiana Rocha Bastos

CHAT
ONLINE