Atendimento Presencial
Seg a Sex das 08h às 18h
  Sáb das 8h às 13h

Atendimento online
Agende sua teleconsulta
Clique aqui

Paciente com deficiência motora

Cuidando de quem amamos.

Quem cuida de alguém com limitação motora, sabe o que isso quer dizer. De forma geral, elas podem ocorrer por vários motivos e se apresentar de diversas maneiras. Neste texto vamos abordar as limitações motoras decorrente de lesões no cérebro.

Lesões no sistema nervoso central (SNC, no qual incluímos o cérebro) podem ocorrer em qualquer etapa da vida de uma pessoa; no período de recém-nascido e até os 2 anos são denominadas paralisia cerebral, dos 2 anos até a adolescência de LEIA (lesão encefálica da infância adquirida) e na vida adulta de LEA (lesão encefálica adquirida). Tais lesões podem decorrer por: malformações no SNC, infecções gestacionais, sofrimento fetal, por um trauma encefálico, hipóxia cerebral (falta de oxigênio ao cérebro), derrame (AVC), dentre outros. O que todos têm em comum? É a lesão no Sistema Nervoso Central, não progressiva e que normalmente leva a uma limitação dos movimentos que podem acometer membros, tronco, bacia e cabeça em vários graus.

Na tentativa de facilitar o manejo destes casos, costumamos classificar essas limitações da seguinte forma:

  • Topográfica, determinando os membros acometidos. Diplegico (membros inferiores), hemiplegico (metade do corpo) e tetraplégico (todos os membros);
  • Fisiológico, determinando o tipo de paralisia que o paciente possui. Espástico (aumento dos tônus muscular e mais comum), flácido (diminuição dos tônus muscular) e discinético (movimentos incoordenados);
  • Funcional, em que determinamos a capacidade de locomoção.

Quando determinamos o padrão de deficiência do paciente, o tratamento se torna mais exclusivo e eficiente. E vale ressaltar a importância da abordagem multiprofissional nestes casos, envolvendo vários profissionais de saúde. Terapias conduzidas por especialistas como terapeutas ocupacionais, fisioterapeutas e fonoaudiólogos são essenciais para a reabilitação.

Quanto ao ortopedista as opções de tratamento são diversas, e incluem a indicação de órteses, o uso de toxina botulínica e fenol para aliviar a espasticidade muscular, além das abordagens cirúrgicas. O intuito é evitar a progressão de uma deformidade, facilitar a marcha e transferências, facilitar a higiene ou melhorar alguma atividade de vida diária. Afinal, “cuidando de quem amamos, cuidamos de nós mesmos”.

Dr Cássio Luis Ferreira Júnior

CHAT
ONLINE