Atendimento Presencial
Seg a Sex das 08h às 18h
  Sáb das 8h às 13h

Atendimento online
Agende sua teleconsulta
Clique aqui

Dor lombar

A dor lombar é causada por uma lesão em um músculo ou ligamento, cujo único sintoma costuma ser a dor local. As causas mais comuns incluem levantamento impróprio, má postura, falta de exercícios físicos regulares, fratura, disco rompido ou artrite.

Normalmente, a maioria das dores lombares desaparece sozinha dentro de duas a quatro semanas. Contudo, alguns casos podem precisar de cirurgia.

A dor lombar pode ser desencadeada por inúmeros fatores, inclusive localizados em outros pontos do corpo. Ela pode ser de dois tipos: 

  • Dor lombar aguda: a dor costuma ser aguda e intensa, súbita, que aparece geralmente após um esforço físico e desaparecendo pouco tempo depois. Ela também pode durar de quatro a seis semanas e ser causada por um mau jeito na coluna ou então espasmos musculares que produzem rigidez nos músculos da região próxima ao sacro;
  • Dor lombar crônica: apesar de ser menos intensa, a dor é mais persistente e pode durar por mais de 3 meses até uma vida toda. Ela é multifatorial e costuma indicar um problema bem mais grave na coluna vertebral. Sendo assim, requer tratamento médico.

Sintomas da dor lombar

Além da dor lombar, a depender do tipo, os sintomas podem ser diversos e variam de acordo com o estilo de vida do paciente e de outros problemas clínicos que podem estar causando estes sintomas. Entre os mais comuns estão:

  • Sensação de queimação ou “choque” na região lombar;
  • Incapacidade de ficar de pé ou de se movimentar livremente;
  • Irradiação da dor para as pernas;
  • Dor intensa e aguda, incapacitante ou persistente.

Tratamentos indicados para dor lombar

Normalmente, o tratamento para a dor lombar é conservador. Com exceção de casos mais raros e graves, como a hérnia de disco. Isso porque a maioria dos casos regride apenas com repouso e medicamentos que controlam a dor lombar e aliviam os sintomas. 

Sendo assim, o tratamento para a dor lombar que não esteja relacionada a complicações mais sérias consiste em:

  • Repouso parcial: o repouso total é contraindicado, pois acaba acarretando ainda mais dores. O melhor é se manter em movimento, para que seus músculos não atrofiem. 
  • Compressas quente e frias: a compressa fria ou com gelo irá anestesiar os nervos da área afetada, promovendo a contração dos vasos sanguíneos e reduzindo o inchaço, podendo inclusive causar um amortecimento do local dolorido. São mais eficazes se utilizadas nas primeiras 24-48 horas após a lesão. Já as compressas de calor são indicadas quando não houver trauma aparente, para relaxar o músculo e aliviar a dor lombar crônica. 
  • Massagem: passada a fase de dor aguda, a massagem ajuda a relaxar a musculatura e liberar endorfinas que aliviam a dor. 
  • Alongamentos: alguns exercícios simples podem ajudar a relaxar a musculatura e evitar que os músculos fiquem muito rígidos ou atrofiados, causando mais dor lombar.
  • Fisioterapia: alguns exercícios leves são capazes de fortalecer a musculatura da região abdominal, a fim de aumentar a mobilidade e a flexibilidade, melhorando o quadro de dor lombar crônica durante todo o processo do tratamento. 
  • Atividade física: caso a atividade física não cause dor, não é preciso suspendê-la, apenas diminuir a intensidade. A atividade física ajuda a fortalecer os músculos e a deixá-los mais flexíveis, favorecendo a cicatrização das lesões. 
  • Medicamentos: alguns medicamentos podem ajudar a diminuir a dor lombar, como por exemplo, o paracetamol, aspirina, ibuprofeno, diclofenaco, naproxeno. Esses remédios reduzem também as inflamações, mas somente um médico poderá prescrever o melhor remédio para tratar sua condição.
CHAT
ONLINE